SINCO.net Desde 1982
Sobre a SINCO Produtos Servidores Workstations Customize seu Equipamento Contato
Início » Empresa » Sala de Imprensa » Matéria

PC World

IDG - PC World
EM TESTE // WORKSTATION
Mario Nagano
Páginas 44, 45 e 46
Edição 157
Agosto 2005



EM TESTE // WORKSTATION
Mario Nagano

Com vocês, as SUPERMÁQUINAS

Se sua rotina de trabalho exige desempenho e confiabilidade , é hora de pensar em uma estação de trabalho

Usuário de workstation sempre foi uma pessoa privilegiada dentro das empresas. Até pouco tempo atrás, esse seleto grupo formado por engenheiros, arquitetos e artistas gráficos usava hardware exótico e sistemas operacionais diferenciados. E eles continuam sendo contemplados com equipamentos de primeira, mas seus sistemas atuais estão mais próximos dos computadores que estão sobre as mesas de quaisquer outros profissionais. Essa mudança foi positiva. Quando passaram a usar processadores Intel ou AMD e sistema operacional da Microsoft, as workstations puderam integrar-se melhor à rotina de trabalho das companhias, executando praticamente qualquer aplicação Windows. Mas aí, surge a dúvida: com o ganho de desempenho dos novos chips para desktop, dotados até de dois núcleos (dual-core), ainda é interessante investir em uma Workstation?

A resposta é positiva principalmente no caso das aplicações que, além do alto desempenho, exigem a confiabilidade proporcionada por um hardware de projeto mais aprimorado. Um exemplo dessa elaboração é o uso de memórias do tipo ECC (Error-Correcting Code), capazes de verificar e corrigir a perda de um bit de dado. Uma falha como essa pode passar despercebida em um jogo de ação, mas ser desastrosa no cálculo de dimensionamento de uma peça de avião. Outro recurso muito usado nas estações de trabalho é o sistema de armazenamento em RAID 0 ou 1, uma técnica que divide os dados em mais de um disco para melhorar o desempenho ou criar espelhamento das informações.

Obviamente, tudo isso tem um custo. Quatro estações de trabalho avaliadas por PC WORLD têm preços entre 14.990 reais e 20.111 reais. São os equipamentos wk4000, da Accept, Precision 670, da Dell, xw9300, da HP, e GrandPraire 4G SATA, da Sinco Sistemas. A xw9300, da HP, destacou-se por seu projeto atual, boa capacidade de expansão, excepcional desempenho e uma rede de assistências considerável. Mesmo sendo o modelo mais caro (20.111 reais), ficou com o título de Best Buy da categoria. A escolha tem uma explicação. Para uma estação de trabalho, performance é um item fundamental, muito mais importante que preço. Para quem não pode abrir mão de economizar da compra, no entanto, indicamos a wk4000. Este equipamento da Accept, um integrador de elite da Intel, tem configuração relativamente simples, mas bem afinada em termos de custo e desempenho. Sai por 14.990.

Para nos afastarmos da área cinza que separa as workstations mais básicas dos desktops mais avançados, comumente usados para jogos, solicitamos aos fabricantes configurações mais robustas, equipadas com pelo menos dois processadores AMD Opteron ou Intel Xeon, 2 GB de memória SDRAM com ECC e dois discos rígidos configurados em RAID.

Os equipamentos da Accept e da Sinco têm configurações muito parecidas, incluindo o mesmo gabinete, placa-mãe (Intel SE7525GP2) e sistema de disco (duas unidades Seagate Barracuda 7200.7 SATA de 200 GB cada). As diferenças ficaram, essencialmente, na escolha do processador Xeon e na placa gráfica. Enquanto a Sinco optou por um chip mais avançado (Xeon de 3.6 GHz com 2.048 KB de L2) e uma placa da PNY com chipset NVidia Quadro FX540, a Accpet escolheu um chip mais em conta (o Xeon de 3.4 com 1.024 KB de L2). Em compensação, adotou a nova placa FireGL V7100, da ATI, que deixou todo mundo para trás nos testes de aceleração gráfica. Mas vale a pena observar que os usuários de Workstation geralmente valorizam mais a qualidade da imagem gerada do que a velocidade propriamente dita. O padrão preferido, nesse caso é o OpenGL, recurso obrigatório em qualquer placa para estações de trabalho, como as séries Quadro FX, da NVidia, e FireGL, da ATI. O precision 670 é um equipamento bem construído e rico em recursos, porém vem equipado com chips Xeon de 3.0 GHz e 2.048 KB de cachê L2, escolhas qye podem ter comprometido seu desempenho geral.

Todos os equipamentos vieram com dois discos internos configurados em RAID 0. Enquanto o Precision 670 adotou uma solução baseada em unidades SCSI de 15.400 rpm, a Accept e a Sinco incorporam solução mais recente, com dois discos Seagate Barracuda de 7200.7 SATA também em RAID. A HP correu por fora com duas unidades Western Digital Raptor SATA de 10.000 rpm. Apesar de este último equipamento apresentar desempenho superior, a solução da Accept e da Sinco é atraente porque oferece maior capacidade de armazenamento (400 GB contra 146 GB e 148 GB da Dell e HP, respectivamente).

A opção DUAL- CORE
Estações de trabalho com processador de núcleo duplo têm desempenho inferior

Os equipamentos com processador dual-core podem substituir workstations bi-processadas? A dúvida procede, já que os chips de núcleo duplo são apresentados como unidades de alto desempenho. Para conferir, testamos duas estações de trabalho com o novo Pentium Extreme Edition (EE) dual-core, da Intel. Ao contrário do Pentuim D, o Extreme Edition incorpora a tecnologia Hyper Threading (HT), o que faz com que enxergue quatro CPUs em vez de duas, como nos Xeons deste comparativo.

O Black Creek (12.529 reais), da Sinco, veio com CPU Pentium EE 840 (3.2 GHz), 2 GB de memória DDR2, disco Seagate Barracuda de 200 GB e placa de vídeo NVidia QUADRO FX540 com 128 MB, da PNY. Tudo montado em uma placa-mãe D955XBK-LKR.

A Dell enviou o novo Precision 380 (foto, à esquerda) com Pentium EE 380, 2 GB de DDR2, dois discos rígidos Seagate Cheetah 15K4 de 74 GB cada, gravador de DVD, DVD-ROM, placa NVidia Quadro FX4400, placa de som da Creative, placa SCSI Adaptec, leitor de cartão de memória, LCD e caixas de som com subwoofer. Preço: 25.999 reais. Assustado? A empresa informa que a versão básica do equipamento sai por 7.999 reais.

O desempenho dessas estações ficou abaixo da performance das máquinas bi-processadas. Mas nada que as desqualifiquem como alternativa para processamento pesado. Nos testes com o PC WorldBench 5, o Black Creek obteve 87,5 pontos, contra os 91 pontos do Precision 670 e bem longe dos 122,3 pontos do xw9300. O Precision 380 atingiu 107 pontos do PC WorldBench 5, mesma marca do GrandPraire, da Sinco.

PC World

. . . .
. WhatsApp (21) 996297920 Blogger Instagram Facebook Twitter .
Sobre a Sinco | Blog | Instagram | Facebook | Sala de Imprensa | Suporte | Contato
Estrada da Bica 96 | Rio de Janeiro | CEP 21.931-070 | Mapa
Fone: (21) 2533.2524 | WhatsApp (21) 996297920 | Atendimento
CNPJ 27.072.453/0001-80 | Código de Defesa do Consumidor
Fundada em 12 de fevereiro de 1982 | Ano XXXVII
©1982-2018 - SINCO.net (Todos os direitos reservados) | ®Marcas
.
.
. . . .